Frota representa a cara cínica do machismo

A foto da TVT de ato de mulheres em frente ao Juizado Especial Cível, no centro de São Paulo, em apoio a ex-Ministra.

A foto da TVT de ato de mulheres em frente ao Juizado Especial Cível, no centro de São Paulo, em apoio a ex-Ministra.

Todxs sabemos que o machismo está entranhado na sociedade, de diferentes maneiras. Há décadas, nós feministas lutamos incansavelmente contra o machismo, denunciando seus crimes e consequências, informando e empoderando mulheres para que, um dia, todas nós nos libertemos deste mal social.

Nesta batalha, enfrentamos muitos inimigos que, em geral, apoiam-se na ignorância, petulância, cinismo e certeza da impunidade de seus atos. A desfaçatez dos machistas violadores dos direitos e da dignidade das mulheres é tão grande e tão banalizada no Brasil que aqui tem até deputado federal dizendo – dentro do Parlamento! – que só não estupra uma colega porque ela não merece.

Atrocidades como esta são ditas e feitas todos os dias, infelizmente. No início de 2015, o país assistiu ao vivo, em uma TV aberta (de concessão pública), a confissão de uma violência sexual contra uma mulher desacordada. O autor do crime é o ator Alexandre Frota que, após narrar a violência que cometeu, foi aplaudido por uma plateia comandada pelo jornalista Rafael Bastos que, aliás, também é conhecido pela apologia à cultura do estupro.

Como se tratou de uma confissão pública de estupro, na ocasião inúmeras defensor@s dos direitos das mulheres manifestaram-se contra o crime, inclusive a ex-Ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, contra quem agora o estuprador confesso move uma ação exigindo pedidos de desculpa e uma indenização de R$ 35 mil.

Além da impunidade dos homens violadores, ainda temos que aturar um disparate deste: o indivíduo estupra, não apresenta qualquer constrangimento em assumir o crime hediondo em rede nacional, mas se sente no direito de se ofender por ser chamado de estuprador e ainda exigir INDENIZAÇÃO!!!.

Na semana passada (6/9), houve uma audiência sobre o caso no Juizado Especial Cível, no centro de São Paulo. Nós e muitas companheiras estivemos lá para apoiar a Ministra e denunciar este crime intolerável. Estaremos nas redes, nas ruas e nas audiências quantas vezes forem necessárias porque vocês #MachistasNãoPassarão.

À Eleonora Menicucci, defensora histórica dos direitos das mulheres, todo o apoio de Católicas pelo Direito de Decidir.

Author: rack

Share This Post On