Beijar não é pecado!

Autoria: Católicas

 

Nota:

 

O direito ao manifesto público e à livre expressão é constitucional, e deve ser respeitado e garantido para todos e todas as brasileiras, principalmente quando o alvo da luta em questão diz respeito aos direitos humanos, plurais e o repúdio à discriminação. No entanto, há pessoas que não compreendem isso muito bem e insistem em violar estes direitos sistematicamente.

 

Neste domingo (15), o deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) mandou prender duas garotas que protestavam contra a homofobia em culto evangélico em uma praça pública na praia de São Sebastião, no litoral paulista.

 

No protesto, as meninas simplesmente se beijavam, não quebravam nada, não batiam nem xingavam ninguém. Mesmo assim, Feliciano se achou no ‘direito’ de mandar os homens da Guarda Civil algemá-las. E eles, autoridades de segurança, pagos pelo povo, acataram a ‘ordem’ de um deputado… Detiveram as meninas, as agrediram – crimes evidentes nos vídeos que circulam na internet – e também, segundo elas, as ameaçaram longe das câmeras de celulares.

 

Este episódio, que não é isolado, visto que o Brasil infelizmente está no topo do ranking dos crimes de homofobia no mundo, suscita muitas perguntas, além de indignação e preocupação.

 

Como um homem, eleito para tratar de assuntos de interesse público e presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, pode incitar a homofobia e calar com ‘voz de prisão’ pessoas pacíficas?

 

Como este homem, que se diz religioso, pode insuflar as pessoas contra seus semelhantes?

 

Como é possível que as autoridades de uma cidade concordem com este homem e infrinjam uma relação infinita de leis nacionais e códigos de conduta de seus atos públicos?

 

Como e porque o beijo, símbolo de amor, pode ofender tanto as pessoas?

 

Há algo de errado no Brasil. Algo que inspira cuidado, vigilância e luta. Não podemos nos calar diante de tanta desfaçatez e violência perpetradas por pessoas que deveriam cuidar e garantir o respeito aos direitos humanos de todos e todas.

 

A presença e atuação de religiosos nos espaços de tomada de decisões políticas no Brasil deve ser controlado, sob pena de termos nossas vidas tomada de assalto por fundamentalistas que não toleram a diversidade e os direitos individuais.

 

Nenhuma religião pode condenar os direitos e as pessoas que lutam pacificamente por eles, ao contrário, cabe às religiões garantir a igualdade para todos e todas. O cristianismo pode colaborar para que cessem as práticas violentas contra as pessoas homossexuais. Há teólogos católicos e protestantes que têm evidenciado que o exercício da sexualidade é um dom de Deus, e merece ser respeitado seja na vivência homossexual ou heterossexual. Não se trata de que tenhamos apenas tolerância com as manifestações de carinho entre pessoas homossexuais, é preciso dar um passo a mais e compreender que a natureza do amor é a mesma.

Author: lucax

Share This Post On