Amai-vos uns aos outrxs!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Das violações de direitos sofridas cotidianamente pela população mundial, algumas têm sido sistematicamente agravadas pela conduta dos políticos e religiosos. Nos referimos aos direitos sexuais e às diferentes formas de famílias. Há décadas, movimentos sociais progressistas e organismos internacionais lutam para que esses direitos sejam reconhecidos como direitos humanos para garantir o bem estar individual, interpessoal, social e para o desenvolvimento pleno das populações.

Mas o que significa ter esses direitos garantidos? Significa que a toda pessoa seja permitido: expressar sua sexualidade sem coerção, exploração ou abuso; tomar decisões sobre sua própria vida sexual; ter prazer sexual; estabelecer vínculos afetivos, matrimoniais e sexuais consentidos; decidir ter filhos ou não; decidir sobre como e quando ter filhos; significa ter acesso à informação sobre o exercício da sua sexualidade, inclusive por meio de instituições sociais como as escolas, por exemplo; ter acesso aos serviços para a manutenção da saúde sexual; ter uma vida sexual livre de discriminação e violência.

O Brasil experimenta alguns avanços neste sentido, mas ainda sofre com a violação de muitos direitos. Violação perpetrada principalmente por pessoas com ideias fundamentalistas que há séculos fazem um uso perverso da religião para exercício de poder, e cujas ações e discursos odiosos condenam o amor livre e a diversidade humana.

No Congresso ou nas igrejas, conversadores e religiosos desrespeitam os direitos sexuais, pregando ideias discriminatórias para parte da população que, consequentemente, aceita que pessoas sejam insultadas, atacadas e mortas simplesmente por não seguirem as práticas heterossexuais tidas como ‘normais’.

Mas afinal o que é normal? É normal alguém ser assassinado a cada 26 horas no país porque ama uma pessoa do mesmo sexo? É normal ser expulso da própria casa ou ser espancado até a morte pelo pai por ser homossexual? É normal que alguém não tenha sua família reconhecida? É normal que alguém que deseja ter filhos seja impedido de realizar seu sonho? É normal que não se possa doar sangue para quem precisa? É normal não poder acariciar nem beijar quem se ama em público? É normal ser impedido de mudar algo de que você não gosta no seu corpo? É normal jovens tirarem a própria vida porque a sociedade não os aceita? É normal ser perseguido, xingado e humilhado na rua, na escola, no trabalho, na família? Não, isso não é normal! Mas acontece diariamente com gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis. E isso é violência! A disseminação desse pensamento absurdo tem consequências devastadoras no mundo. A conivência, omissão ou incentivo de políticos, igrejas e sociedade perante esse tipo de violência deve ser rechaçada.

Gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis não querem invadir o mundo, matar cristãos e promover a Ditadura Gay como dizem algumas pessoas de má fé por aí. Elas querem se livrar dos recalques impostos por nossa cultura contaminada por ensinamentos religiosos tortos e moralistas que enclausuram e adoecem nossos corpos e mentes. Elas querem viver livre do ódio e da violência. Elas querem respeito, compreensão, amor, felicidade e direitos!

Religiosamente, há quase duas décadas, um mar de gente vinda de todas as partes do Brasil e do mundo toma as ruas da capital paulista para mostrar para a sociedade de forma festiva e política que normal é amarmos uns aos outrxs sem violência, sem discriminação, sem exclusão.

Católicas esteve presente na 12ª Caminhada de Mulheres lésbicas e bissexuais e na 18ª edição da Parada LGBT, realizadas respectivamente nos dias 3 e 4 de maio de 2014. Assista ao vídeo que fizemos contra o fim da discriminação de gênero e orientação sexual.