De mãos dadas com os poderosos, de costas para quem mais necessita!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Assim se posicionaram os cardeais que estiveram no Palácio na Alvorada no dia 10/10, mesmo dia da primeira votação e aprovação em primeira instância da PEC 241 na Câmara Federal.

A foto, publicada no O Globo, de Dom Orani Tempesta apertando a mão de Temer Golpista no Palácio da Alvorada, não poderia ser mais significativa e emblemática deste posicionamento de um setor católico que escolhe estar ao lado dos poderosos e assim dá as costas a quem mais necessita e mais será prejudicadx com os cortes propostos.

Ao darem as mãos ao Presidente, oferecerem sua presença pública carregada de simbolismo e representatividade, portanto, seu apoio e sua “benção” a este governo, forjado por um golpe de Estado de uma bancada parlamentar vinculada aos poderes econômico, bélico, religioso e midiático, e seu projeto político neoliberal, que alia austeridade econômica e conservadorismo moral, atingindo a parcela mais desfavorecida da população brasileira.

Independente de terem comparecido no declarado propósito de rezar pela a aprovação da PEC 241 como noticiou o jornal o Globo ou para tratar de assuntos referentes a Rede Vida como afirmou Dom Odilo Scherer (cardeal de São Paulo também presente no encontro), o fato é que lá estavam apertando a mão do presidente e, paradoxalmente, rezando pelo “futuro [?!?!?!] do país” ao mesmo tempo que indiferentes às ameaças a este futuro.

Caso se confirme a aprovação da PEC241 nas próximas votações, o Brasil padecerá com 20 anos de congelamento do salário mínimo, cortes de investimento em serviços públicos essenciais como saúde e educação, já tão precários e insuficientes. Segundo dados da FGV, se a PEC estivesse vigente em 1998, o salário mínimo seria hoje de $400,00.

Estes cortes não são apenas cifras, representam impactos reais especialmente para a população de baixa renda na vida, na saúde, no acesso à Universidade,   no futuro de milhões de pessoas e se farão sentir por muitas décadas para além dos 20 anos de congelamento.

Os cerca de R$ 314,3 bilhoēs de cortes em saúde significam maior tempo e menor número de atendimentos em saúde sejam emergenciais, preventivos ou de tratamento, menos medicamentos gratuitos ou a preço acessível, menos equipamentos e insumos nos hospitais, aniquilamento dos serviços de planejamento familiar e Aborto Legal, não construção de hospitais entre outros fatores que representam mais mortes que poderiam ser evitadas.

Na Educação significam salas ainda mais lotadas, menos livros, menos materiais e equipamentos tecnológicos adequados; evasão escolar, degradação dos equipamentos educacionais carentes de manutenção e reparos, diminuição da qualidade da merenda escolar necessária ao aprendizado; salários de profissionais cada vez mais defasados e, portanto, profissionais mais desgastados pelas longas jornadas, menos investimento em educação superior. Representam uma educação cada vez mais elitista e excludente caminhando no sentido oposto de reparar as injustiças históricas ocasionadas pelo racismo o sexismo e a desigualdade econômica.

Tenham os cardeais “pecado” pela ignorância ou por opção política, é inconcebível que aqueles que se julgam no direito de representar uma igreja inspirada no projeto de Cristo e seu discipulado, passem ao largo de questões que contradizem este projeto. Cristo entre outrxs líderes de sua época, foi perseguido, torturado e morto justamente por contrariar poderosos fossem eles políticos ou religiosos, e se colocar ao lado dos empobrecidos, oprimidos, discriminados.

Felizmente a igreja não é homogênea, muitas divergências se processam em seu interior. Com alegria vemos que muitxs outrxs religiosxs e fieis têm se posicionado publicamente contrárixs a PEC 241, intitulada “PEC da Morte” e “PEC do Fim do Mundo”. Dom Francisco Ferreira Paz, por exemplo, classificou a PEC como devastadora e brutal em texto publicado no portal da CNBB.

Como Católicas pelo Direito de Decidir, a partir de nossas crenças e convicções políticas, nos somamos a este grupo, damos as mãos a todas as mulheres e homens que se dispõem a enfrentar os poderes instituídos que causam, justificam ou legitimam a injustiça, a desigualdade e a opressão.

Por isso dizemos

#NãoAPEC241;

#ForaTemer;