Até quando poderá a igreja católica ignorar suas e seus fiéis?

A cada 8 de março nos perguntamos o que há para comemorar. Este ano, Católicas pelo Direito de Decidir tem uma razão particular para celebrar. Dias atrás, pesquisa realizada em 12 países confirmou o quanto nossas convicções e nosso ideário refletem o que pensa e vive uma grande parte, se não a maioria de fieis católic@s em todo o mundo: os princípios morais pregados pela igreja no campo da sexualidade não são aqueles pelos quais regem suas vidas.

Descriminalização do aborto e autonomia da mulher

No Brasil o aborto é admitido — em todos ou alguns casos — por 81% da população católica, segundo dados da pesquisa “A Voz do Povo” realizada pelo instituto de pesquisas Bendixen&Armandi International, a pedido do portal de notícias hispano-americano Univisión.

Carta para Papa Francisco sobre mulheres e aborto

Diante das palavras do Papa Francisco sobre o “descarte de seres humanos”, Católicas pelo Direito de Decidir (Brasil) manifesta-se com as companheiras da América Latina. Expressamos nossa tristeza e indignação pelo descaso da Igreja diante do “descarte” de mulheres, fruto da violência cometida contra elas, em todo o mundo.

O Papa Francisco e a hora da verdade

Os escândalos de pedofilia na Igreja católica contribuíram para minar sua credibilidade. Tão grave quanto a prática da pedofilia é a atitude da hierarquia católica, que esconde padres denunciados por suas vítimas, transferindo-os de paróquias e estabelecendo a “política do silêncio”, que nega acusações e protege padres agressores.

Queremos uma nova Igreja!

Queremos saudá-lo, Papa Francisco, como mulheres que, desde a perspectiva da fé, temos a esperança de que profundas mudanças permitam à Igreja apresentar-se ao mundo como essa luz de que fala a Encílica Lumen Fidei, sua primeira carta à comunidade católica.

Um dia para ser lembrado!

No dia 18 de maio nos lembramos de forma especial das crianças e adolescentes. Este dia foi instituído o “Dia Nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes”, através da Lei 9.970, art.1.

Gestos que transformam a nossa história

Páscoa, na tradição judaico-cristã, significa passagem. É momento de celebrar possibilidades de mudança, de construção da liberdade e afastamento de situações que, de alguma maneira nos escravizam.

Sobre a renúncia do papa

A renúncia do Papa Bento XVI surpreendeu o mundo. Independentemente da natureza das razões que podem ter levado o Papa a essa decisão, renunciar significa de algum modo manifestar-se frágil, mas também mostrar-se humano. Essa dimensão humana muitas vezes tem sido ocultada pela Igreja, quando esta se permite julgar a humanidade em suas fraquezas. A renúncia do Papa, no entanto, no mínimo causa perplexidade.