Eleições e o futuro das mulheres no Brasil

 

No dia 5 de outubro de 2014 o País viverá mais um momento crucial para sua democracia: o primeiro turno das eleições em que escolheremos nossos candidatos à presidência, vice-presidência, deputados estaduais e federais, senadores, governadores e vice-governadores.

Até pouco tempo, um discurso circulava entre nós afirmando que o “brasileiro não entende, não gosta ou não quer saber de política”. De junho de 2013 para cá, mostramos para as autoridades daqui e do mundo que este discurso é uma falácia, e que sim desejamos mudanças, somos articulados e estamos dispostos a lutar pelo que acreditamos.

Apesar de toda repressão do Estado às manifestações neste último ano, os ativistas resistem e, entre eles, as feministas cuja lista de pautas de reivindicações é extensa e está na rua há décadas!

O sistema político e eleitoral do Brasil favorece aqueles candidatos que têm dinheiro e alianças que, aliás, algumas são bastante questionáveis no que diz respeito à garantia dos direitos humanos e civis da população. A partir de 19 de agosto, início da propaganda eleitoral gratuita no rádio e televisão, seremos bombardeados com anúncios de candidatos e suas propostas.

Seria bom que os programas d@s candidat@s e partidos informassem claramente suas posições em relação a políticas dirigidas para a população LGBT, para as populações negra e indígena e sobre o que é, na prática, um Estado realmente laico. Seria mais fácil escolher. E poderíamos conhecer, divulgar e apoiar candidatos cuja trajetória e ficha limpa estão do lado dos direitos humanos.

 

Feministas criaram no Facebook a comunidade Vote numa Feminista. Lá você pode encontrar a relação de várias mulheres, seus números de legenda, partidos, as cidades em que atuam etc.

Para se ter uma ideia de como esta iniciativa é importante, saiba que dos 513 deputados presentes no Congresso Nacional, apenas 44 são mulheres! Este dado é resultado da nossa sociedade machista e patriarcal que durante anos tem sido pensada e controlada pelos homens, assim como resulta do não cumprimento dos Partidos da Lei de Cotas (nº 12.034, de 29 de setembro de 2009) que os obriga a destinar 30% de suas candidaturas às mulheres, inclusive no horário político eleitoral. Quando olhamos para este e outros dados fica fácil compreender porque muitos direitos das mulheres são ignorados pelos poderes legislativo, executivo e judiciário. Aliás, quem se interessa por este tema precisa ler a mais recente publicação de Católicas A presença das mulheres nos Espaços de Poder e Decisão.

Queremos mulheres no poder! Queremos mulheres feministas no poder! Queremos mulheres que lutem pela garantia dos direitos de todas nós, pela população negra, pelas lésbicas, bissexuais, transexuais, travestis e homossexuais. Que lutem contra o fundamentalismo religioso que infesta nosso Congresso. E que tenham um programa voltado para a realização da justiça social. Vote numa feminista! Acesse aqui.

 

Author: catolicas01

Share This Post On